A história de Omayra, a garota colombiana que entristeceu o mundo e que nunca deve ser esquecida

Esta é uma história que aconteceu há muitos anos, mas que continua a sensibilizar milhares de pessoas, é uma questão delicada que tem muitas coisas para discutir.

Omayra Sánchez Garzón era uma menina colombiana de 13 anos, vítima do vulcão Nevado del Ruiz durante a erupção que destruiu a cidade de Armero -Colômbia. Ela ganhou reconhecimento global ao passar três dias presa na lama e nos restos de sua própria casa, enquanto as câmeras de televisão transmitiam constantemente suas últimas horas de vida.

Muitas pessoas pelo mundo viram sua imagem, mas poucos sabiam de sua história.

Ela tinha 13 anos e, na época da tragédia de Armero, morava com seu irmão mais novo, seu pai e sua tia. Sua mãe, durante a tragédia, estava em Bogotá em uma viagem de negócios.

Naquela noite, todos na casa estavam acordados muito preocupados com a chuva de cinzas da erupção, quando ouviram o som da lava se aproximando. Logo depois sua casa simplesmente sumiu…

Durante o tempo em que a garota permaneceu presa, ela estava sempre em cima dos corpos de seus outros parentes que também estava na casa. Quando os socorristas tentaram ajudá-la, acharam impossível; para removê-la, precisavam amputar as pernas. No entanto, eles não tinham equipamentos cirúrgicos e isso poderia matá-la; A outra opção era trazer uma bomba de motor que sugaria a lama crescente em que estava submersa.

A única bomba elétrica disponível estava longe do local, então eles só podiam deixá-la morrer.

Omayra foi forte até o último momento de sua vida, de acordo com os salva-vidas e jornalistas que a cercavam. Durante os três dias, ela estava pensando apenas em voltar para a escola. O fotógrafo Frank Fournier tirou uma foto que percorreu o mundo, deixando em muitos o sentimento de inutilidade…

A jovem morreu em resultado de uma gangrena e hipotermia. Seu irmão e sua mãe conseguiram sobreviveram a catástrofe, porém seu pai faleceu.

Veja também:

Talvez essa seja um das histórias mais tristes da humanidade…